sábado, 17 de dezembro de 2011

Lançamento livro Minhas Pegadas na areia




 Na tarde de 17 de dezembro eu posso dizer que realizei um sonho, sim o tão esperado livro Minhas Pegadas na Areia foi, finalmente, entregue ao público e teve o seu momento mágico.
Sai de casa cedo, com intenção de chegar lá  e me preparar e conversar com o Eduardo, Celso Correa, Rodrigo Marcondes e a Viviane da livraria Nobel, para acertar os últimos pormenores.
        
               A cada minuto a apreensão aumentava e a adrenalina ia junto. Por volta das três da tarde eu ja estava uma pilha, como disse no começo de minha apresentação, era como se mil borboletas regessem em meu estomago uma sinfonia, querendo, talvez, prenunciar e reafirmar  uma nova teoria caos.
         
               As quatro da tarde as cadeiras da Livraria Nobel do Boqueirão já estavam quase que todas ocupadas, já não haviam assentos livres. Beijo minha esposa e ouço falar "-Nossa! Não me lembro de nenhum outro Sarau dos Pensadores ou lançamento em que você tivesse tão nervoso."

               O Celso, como de costume estava prestes a passar a voz para o editor Eduardo Bonito e, em breve, este chamaria a Cindy Araújo para ler um texto de apresentação, mas antes o nosso presidente e naquele momento, mestre de cerimônia, fazia as honras de falar do histórico da entidade Casa do Poeta Brasileiro de Praia Grande e cumprimentar o público presente.

               Calma, respira... ouvi alguém me falar, acho que era o Marcondes. Pronto, Celso passou o microfone para o Eduardo que proferiu emocionado seu discurso, mescla de improvisação e anotação no papel eu ainda mais tenso, consegui ouvir algumas palavras, como satisfação por fechar o ano com mais de 80 títulos e algo do gênero, eu não estava pra guardar números e  prestes a dar e tentar fazer o meu prórprio número. A Cynthia incia a declamação do soneto, 14 versos me separavam do meu momento de entrada a deixa seria o meu nome. Então quando já não tinha mais o que esperar e nem como fugir ou somente algo assim "....és louco, és poeta , és Fernandes.

                Daí pra frente eu comecei numa entrada que muito me lembrou alguns shows de Rap que pude presenciar, logo de cara pedindo aplauso ao público que correspodeu ao bom estilo de quem nem sabia o que estava prestes a ver ouvir e naquela sequencia de rimas, críticas e pensamentos dos mais variados, enquanto tentava passar a mensagem, por dentro eu realmente queria ir para o "...Samambaia respirar ar fresco ter com os de lá um terço de prosa boa conversa...", mas já não tinha pra onde correr, o público estava ali e ávido querendo mais.

                 Eu era o foco das atenções e o fui por mais de uma hora que nem acredito, respondi várias perguntas, algumas com os próprios poemas inseridos no livro, outras com uma surpresa da Ludimar que trouxe uma brochura artesanal que produzi em 2003, e ali tinha muitos bons versos, pude recordar da Vera, do amigo e  professor Jairo e tantas histórias de minha infância e adolescencia, que quase desmoronei quando vi nas faces de minha mãe o choro a descer cheio de emoção ou quando o Panda leu 'Péricles, o guerreiro'. Eu olhava para o Pelé e via a bolinha do olho brilhar, eu estava tocando em almas com as palavras. Segurei na cadeira, tomei a água e segui em frente.
                Deixo agora as imagens para falarem um pouco mais destes momentos:


                 Ainda me encontro sem palavras pra descrever tamanha é a minha satisfação e, sobretudo, uma certeza de missão cumprida. Ao ver a obra nas mãos dos amigos , conhecidos e demais convidados presentes, pude perceber que ali não era somente um lançamento do meu livro, tinha-se ali depositadas as esperanças e expectativas de muitas pessoas que, assim como eu, queriam ver e tocar pra crer que era real.

                 Muito obrigado a todos, sem distinção, não enumerarei nomes pra não cometer falhas, mas sobretudo, a minha familia, meus amigos, a editora e todos que puderam se fazer presentes de corpo e os que mandaram mensagens também e levarão adiante esta realidade, pois agora é outra batalha a vencer que é fazer com que novos leitores descubram e se interessem por essas "Minhas Pegadas na Areia", mas agora o exército é grande e com ele estou certo que vencerei.