domingo, 2 de agosto de 2015

Outros acontecimentos para o dia 02 de agosto:



Dia do Carteiro - Funcionário postal que distribui a correspondência pelos domicílios, transporta diariamente com zelo e responsabilidade nossos documentos, cartas e pacotes. Parabéns a todos os carteiros


A Guerra do Golfo
Em 2 de agosto de 1990, o Iraque invade o Kuwait. A ocupação é o estopim da Guerra do Golfo, liderada pelos Estados Unidos. Saddam Hussein justifica a invasão, afirmando que o Kuwait praticava uma política de superextração de petróleo, para fazer o preço cair no mercado e prejudicar a economia iraquiana.


686 - Morre o Papa Paulo V.


1391 - Começa a matança de judeus em Palma de Mallorca.


1509 - O rei Enrique III da França é assassinado.


1597 - Inauguração do primeiro teatro de Barcelona, a "Casa das Comédias".


1814 - Explode em Cuzco um movimento rebelde indígena que esteve a ponto de conseguir a independência do Peru.


1830 - O rei Carlos X da França abdica.


1845 - Tropas navais franco-britânicas capturam os navios argentinos que bloqueavam Montevidéu, na guerra que Rosas e Oribe sustentavam contra o Uruguai.


1903 - Começa a rebelião da Macedônia contra o Império Otomano. A "Organização Revolucionária Interna da Macedônia" (ORIM) mobiliza 26 mil homens, sob o lema "Liberdade ou Morte", para lutar pela autonomia do país.


1907 - A China abre sete cidades da Manchúria ao comércio internacional.


1914 - O governo belga não aceita o ultimato alemão que exigia a livre passagem de suas tropas pela Bélgica.



1915 - Revolução no México: os partidários de Carranza se apoderam da capital.



1917 - O exército russo ocupou Czernowitz



1921 - O tenor italiano Enrico Caruso morre, aos 48 anos, vítima de peritonite.


1921 - Lenin chama os trabalhadores dos países industrializados a mobilizar-se em ajuda da Rússia, ameaçada pela fome após vários anos de safras catastróficas.



1923 - Morreu o presidente americano W. Harding



1928 - A Itália e a Etiópia assinaram um Tratado de Amizade por vinte anos


1931 - Quatro meses depois de proclamada a II República Espanhola, o povo catalão aprova em referendum o estatuto de autonomia da Catalunha.


1932 - Nasce Peter O'Toole, ator irlandês.


1934 - Adolfo Hitler assume a presidência do Terceiro Reich, após a morte do presidente da Alemanha, Paul von Hindenburg.


1940 - O Governo de Vichy condena à morte, por rebeldia, o general Charles De Gaulle.


1942 - Nasce Isabel Allende, escritora chilena.


1945 - Termina a Conferência de Potsdam, em que os chefes das grandes potências estabelecem as condições da rendição alemã.


1946 - Votação da lei Mac Mahon, nos EUA, contra toda divulgação de informações referentes à energia atômica.



1956 - Cidadãos franceses e ingleses viram-se forçados a abandonar o Egipto


1957 - EUA e Canadá decidem criar um comando aéreo unificado.


1957 - Morre aos 67 anos o pintor Lasar Segall. Lituano, ele morou muitos anos no Brasil e ajudou a difundiu a arte moderna no país.


1959 - Os dirigentes comunistas chineses reconhecem o fracasso das "comunas populares".


1961 - O Governo argentino cancela os poderes concedidos ao Exército para erradicar atividades subversivas.


1964 - Primeiro ataque do Vietnã do Norte aos Estados Unidos: uma patrulha norte-vietnamita ataca os americanos no Golfo de Tonkín.


1966 - Fim das revoltas no Congo-Kinshasa.


1970 - Primeiro seqüestro aéreo: um Boeing 747, com 378 passageiros, foi desviado para Cuba, quando ia de Nova York para Porto Rico.


1971 - Hélio Bicudo é afastado das investigações dos crimes do Esquadrão da Morte. Ele foi um dos maiores denunciantes do grupo que matava presos políticos no Brasil.


1976 - Morre Fritz Lang, cineasta alemão que se exilou nos EUA.


1980 - Morrem 84 pessoas e mais de 200 ficam feridas em um atentado cometido pelos neofascistas, na estação ferroviária da Bolonha (Itália).


1984 - Grã-Bretanha e China chegam a um acordo para a transferência da colônia de Hong Kong para a República Popular, em 1997.

- O ex-presidente argentino Jorge Rafael Videla é preso por ordem do governo de Raúl Alfonsín.


1987 - O presidente peruano Alan García anuncia a estatização de 10 bancos, 17 seguradoras e seis entidades financeiras.



1988 - Angola, Cuba e África do Sul, mediados pelos EUA, reuniram-se para debater a paz no sudeste africano



1990 - O Iraque invade o vizinho Kuwait. A ocupação foi o estopim para a Guerra do Golfo, liderada pelos Estados Unidos.


1990 - O Iraque invade o Kuwait e não obedece a ordem de retirada imposta pela ONU. Em 16 de agosto de 1991, as forças de colizão lideradas pelos Estados Unidos iniciam ataque armado contra o território iraquiano. começa a Guerra do Golfo


1992 - Eleições presidenciais e parlamentares na Croácia, ganhas por Franjo Tudjman e seu partido, a Comunidade Democrática.


1996 - Morre Michel Debré, político francês.


1999 - Um choque frontal de dois trens de passageiros na estação de Gaisal, no Estado indiano de Bengala Ocidental, causa a morte de 288 pessoas e deixa mil feridos.


2000 - Vicente Fox é declarado oficialmente o presidente do México.


2000 - Uma onda de violência deixa 101 mortos na Caxemira, logo após um incidente em um lugar sagrado.


2001 - Extremistas muçulmanos seqüestram 36 filipinos na ilha meridional de Basilan e decapitam pelo menos quatro deles.


2001 - O general Radislav Krstic é condenado por genocídio a 48 anos de prisão pelo Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia.


O que é Esperanto?

O Espe­ranto é a mais falada das lín­guas inven­ta­das e pla­ni­fi­ca­das. A segunda mais fácil é a “lín­gua do P”, mas esta não teve tanto sucesso longe dos cír­cu­los soci­ais da pré-escola. Luís Lázaro Zame­nhof, médico polo­nês, com­ple­tou a ver­são ofi­cial do Espe­ranto em 1887. Sua inten­ção era criar uma lín­gua de fácil apren­di­za­gem, que ser­visse como segunda lín­gua para toda a popu­la­ção mun­dial, e não, como mui­tos supõem, para subs­ti­tuir todas as lín­guas exis­ten­tes. Seus radi­cais vêm do latim, grego e lín­guas esla­vas, e a cons­tru­ção de pala­vras e fra­ses é seme­lhante ao grupo de lín­guas orientais

Características do Esperanto.
A maioria das línguas podem ser divididas em três partes:
1) Vocabulário (isto é, o acervo de palavras que constituem a língua).
2) Ortografia e Pronúncia.
3) Gramática (Morfologia e Sintaxe).
Em cada uma dessas partes, o Esperanto revela enorme simplificação, em comparação com qualquer idioma nacional.
A Pronúncia e a Ortografia são absolutamente fonéticas, havendo apenas cinco sons vocálicos (a maior parte das línguas nacionais tem vinte ou mais). Cada letra tem apenas um som, sendo todo som expresso por uma e a mesma letra.
(para ouvir Esperanto, clique aqui )
A Morfologia e a Sintaxe acham-se ideadas tão engenhosamente que, em lugar do costumeiro labirinto de regras apresentadas pelas outras línguas e que ocupam apreciável volume nos compêndios gramaticais, o Esperanto apresenta apenas 16 regras que poderão ser até anotadas comodamente numa pequena folha de papel. Essas regrinhas acham-se enumeradas logo a seguir.
O Vocabulário causou a Zamenhof muitas noites de insônia, até que, finalmente, ele encontrou uma brilhante solução. Ocorreu-lhe a idéia de empregar o princípio dos afixos com critério lógico. O resultado foi que um dicionário de Esperanto tem somente um décimo do tamanho de outro noutra língua. Ademais, a sistematização em Esperanto é completa, ao passo que, nos outros idiomas é apenas parcial e, frequentemente, ilógica. Isto porque, em Esperanto, as regras não tem exceções nem limite de aplicabilidade.
No tocante às palavras em si, Zamenhof não as inventou arbitrariamente, porém tirou-as das línguas mais importantes da civilização ocidental, principalmente do Latim, fonte e origem de tantas línguas modernas. Recusado dizer, portanto, serem inúmeras as ligações etimológicas entre o vocabulário Esperanto e o Português.


As 16 regras:
tradução do sumário da própria
Gramática do Esperanto do Dr. Zamenhof.

1) Não existe artigo indefinido; existe apenas um único artigo definido, LA, idêntico para todos os sexos, casos e números.
2) Os substantivos: terminam em O. Para formar o plural, acrescenta-se J. Existem somente dois casos: nominativo e acusativo, obtendo-se o ultimo mediante o acréscimo de N ao nominativo. Os demais casos são expressos por preposições (genitivo DE; dativo AL; ablativo PER, etc).
3) Os adjetivos: terminam em A. Numero e caso como para os substantivos. Forma-se o comparativo por meio da palavra PLI e o superlativo por meio da palavra PLEJ; com o comparativo, emprega-se a conjunção OL.
4) Os numerais: cardinais (indeclináveis) são: unu, du, tri, kvar, kvin, ses, sep, ok, naý, dek, cent, mil. Dezenas e centenas formam-se pela simples junção dos numerais. Para assinalar os numerais ordinais acrescenta-se A; para os múltiplos, OBL; para os fracionários, ON; para os coletivos, OP; para os distributivos a preposição PO. Numerais substantivos e adverbiais podem também ser empregados.
5) Pronomes Pessoais: mi, vi, li, þi, gi (coisa ou animal), si, ni, vi, ili, oni: os possessivos se formam acrescentando A. A declinação é igual à dos substantivos.
6) O verbo não sofre alterações com referencia à pessoa ou ao numero. Formas do verbo: tempo presente toma a desinência -as; tempo passado recebe a terminação -is; tempo futuro recebe a terminação; condicional, a desinência -us; imperativo, a desinência -u; infinitivo, a desinência -i. Os particípios: presente ativo -ant; passado ativo, -int; futuro ativo, -ont; presente passivo, -at; passado passivo, em -it; futuro passivo em -ot. A forma passiva é obtida com uma forma correspondente do verbo esti mais um particípio passivo do verbo exigido; a preposição com a voz passiva é de.
7) Os advérbios terminam em E, sendo o comparativo dos advérbios formado da mesma maneira que para os adjetivos.
8) Toda palavra se pronuncia como se escreve.
9) O acento tônico cai sempre na penúltima sílaba.
10) Todas as preposições regem o caso nominativo.
11) As palavras compostas se formam pela simples junção das palavras (a palavra principal fica no fim). As terminações gramaticais são igualmente consideradas palavras independentes.
l2) Havendo outra negativa na sentença, a palavra NE é omitida.
13) Para indicar direção, rumo a algum lugar, as palavras tomam a desinência do acusativo -N.
14) Toda preposição tem sentido definido e constante; se, porém, o sentido direto não indicar qual seja ou deva ser, emprega-se a preposição JE, que não possui sentido próprio. Em lugar de JE podemos usar o acusativo sem preposição.
15) As chamadas palavras estrangeiras, i.e., aquelas que a maioria das línguas tirou de uma só fonte, não sofrem alteração em esperanto; porém, com diversas palavras de uma mesma raiz é preferível empregar sem variação somente a palavra fundamental e, com esta última, formar o resto, de conformidade com as regras do Esperanto.
16) A vogal final do substantivo e do artigo pode, às vezes, ser eliminada e substituída por um apóstrofo.

--------------------------------------------------------------------------------
Palavras derivadas
As palavras derivadas são formadas com o auxílio dos prefixos e sufixos que se ajuntam diretamente ao radical.

--------------------------------------------------------------------------------
Prefixos
BO - indica o parentesco resultante do casamento: bofrato - cunhado; bofilino - nora.
DIS - indica dispersão, desunião, separação: disdoni - distribuir; dis¼eti - espalhar.
EK - indica uma ação que começa ou que é momentânea: ekdormi - adormecer; ekkrii - exclamar. Com o auxílio deste prefixo, formam-se os verbos chamados incoativos.
EKS - indica que foi, ex.: ekskapitano - ex-capitão; eksiøi - demitir-se.
FI - indica desprezo, repulsão: fiinsektoj - vermes; fia¼o - ignomínia.
GE - indica a reunião dos dois sexos: gepatroj - pais (pai e mãe).
MAL - indica a idéia contrária: malamiko - inimigo; malfermi - abrir; malantaýe - atrás.
MIS - indica mal, errada, injusta, inconvenientemente: misaýd i- ouvir mal; misgvidi - desencaminhar.
PRA - indica um passado ou futuro longínquo: praarbaro - floresta virgem; praavo - bisavô; pranepoj - bisnetos, descendentes.
RE - indica a repetição de. um ato ou volta ao ponto de partida: redoni - restituir; revidi - rever.

--------------------------------------------------------------------------------
Sufixos
AÆ - indica o pejorativo, isto é, a qualidade má: æevalaæo - sendeiro; popolaæo - populaça.
AD - indica a duração na ação: aýdado - audição; rigardadi - contemplar. Com o auxilio deste sufixo formam-se os verbos chamados frequentativos.
A¼ - indica a qualidade concreta: nova¼o - uma novidade; trinka¼o - uma bebida.
AN - indica sócio, partidário, membro, habitante: kastelano - castelão; kristano - cristão; parizano - parisiense.
AR - indica coleção, reunião: parencaro - parentela; meblaro - mobília.
ÆJ - indica diminutivo de caricia para o masculino: Joæjo - Joãozinho; paæjo - papai.
EBL - indica que pode ser: fleksebla - flexível; loøebla - habitável.
EC - indica a qualidade abstracta: riæeco - riqueza; amikeco - amizade.
EG - indica o aumentativo: botelego - garrafão; ridegi - gargalhar; varmega, - ardente.
EJ - indica o lugar destinado a...: banejo - banheiro; lernejo - escola.
EM - indica hábito, inclinação: babilema - tagarela; laborema - trabalhador.
ER - indica o elemento, a unidade: neøero - floco de neve; fajrero - faísca.
ESTR - indica chefe de... : vagonestro - chefe de trem; policestro - chefe de policia.
ET - indica o diminutivo: boteleto - garrafinha; rideti - sorrir.
ID - indica filho, descendente: porkido - leitão; israelido - israelita.
IG - indica fazer, tornar: kontentigi - contentar; sanktigi - santificar.
IØ- indica fazer-se, tornar-se: beliøi - embelezar-se; sidiøi - sentar-se.
IL - indica o instrumento: flugilo - asa; kudrilo - agulha.
IN - indica o feminino: kokino - galinha; fratino - irmã.
IND - indica digno de: aminda - amável; adorinda - adorável.
ING - indica o continente parcial: krajoningo - lapiseira; kandelingo - castiçal.
ISM - indica teoria, sistema, escola, partido, etc.: socialismo - socialismo; idealismo - idealismo.
IST - indica a profissão, um adepto de uma teoria, escola, doutrina, etc.; servisto - criado; maristo - marinheiro; budaisto - budista.
NJ - indica o diminutivo de caricia para o feminino: Anjo - Aninhas; panjo - mamãe.
UJ - indica o continente total: cigarujo - charuteira; pomujo - macieira; Francujo - França. Nota - Podem-se também formar os nomes de países com o auxílio da palavra lando (país) e os nomes de árvores com a palavra arbo (árvore). Ex.: Franclando, pomarbo.
UL - indica o ser caracterizado por... : malriæulo - um pobre; timulo - poltrão.
UM - não tem sentido definido: sapumi - ensaboar; kolumo - colarinho.
(Da "Gramática Elementar de Esperanto", de A. Couto Fernandes e H. Mota Mendes).

--------------------------------------------------------------------------------
Pronúncia
As letras b, d, f, k, l, m, n, p, t, v, z, m o mesmo som que em nosso idioma.
A tem o som do a em dado.
C tem o som de ts em tsé-tsé.
Æ tem o som de tch em atchim e tchau.
E tem o som do e em mesa. (e fechado)
G tem o som de g em gato.
Ø tem o som do dj em adjetivo.
H tem um som ligeiramente aspirado, como em ah! ah! ah! (ou como nosso rr em carro)
¦ tem um som fortemente aspirado como o j em hijo no espanhol. (ou como no inglês em help)
I tem o som do i longo em filho.
J tem o som do i breve em pai (equivale ao i semivogal)
¬ tem o som do j em jornal.
O tem o som do ô em boca. (o fechado: = ovo)
R tem o som mais brando do que o r em cara.
S tem o som sibilante como em sapo. (Ou como nosso ss e ç em massa e maçã)
Þ tem o som chiante como o x em xadrez.
U tem o som do u longo em luta.
Ý tem o som do u breve em Paulo. (equivale ao u semivogal)