quarta-feira, 29 de julho de 2015

Outros acontecimentos para o dia 29 de julho:



DIA DO NASCIMENTO DA PRINCESA ISABEL - Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança Bourbon e Orléans, Princesa Imperial e Regente do Império do Brasil (Rio de Janeiro, 29de julho de 1846 — Eu, 14 de novembro de 1921), Princesa Imperial do Brasil, Regente do Império do Brasil por três ocasiões e terceira imperatriz do Brasil (De Jure), era filha do imperador Pedro II do Brasil e da imperatriz TeresaCristina. Foi cognominada A Redentora por ter abolido a escravidão no Brasil.

“O tempo que a gente gasta sonhando é o mesmo que a gente gasta fazendo.”



Benito Mussolini


Em 29 de julho de 1883, nasce o ditador italiano Benito Mussolini. A realização da "marcha sobre Roma" convence o rei Víctor Emanuel III a confiar o governo ao "Duce". Ele exerce uma ditadura a partir de 1925. Durante a Segunda Guerra, faz uma aliança com a Alemanha, criando o Eixo Roma-Berlim.


1824 - Nasce Alexandre Dumas Filho, escritor francês.


1836 - Inauguração do Arco do Triunfo de Paris. A primeira pedra foi colocada em 1806.


1856 - Um tratado de amizade e navegação é assinado em Assunção entre a Confederação Argentina e a República do Paraguai.


1856 - Morre Robert Schumann, compositor alemão.


1860 - Nasce a princesa imperial brasileira Isabel no Rio de Janeiro.


1883 - Nasce Benito Mussolini, estadista italiano.


1886 - Inauguração do navio espanhol de guerra "Destructor", idealizado pelo marinheiro Fernando Villaamil e que serve de modelo para todas as Marinas do mundo.


1890 - Morre Vincent Van Gogh, pintor holandês.


1899 - Acordo de Haia, através do qual todos os países europeus se comprometem a não usar gases asfixiantes nas guerras.


1900 - O anarquista Breci assassina em Monza o rei da Itália, Humberto I, que é sucedido por Víctor Manuel III.


1907 - O coronel britânico Robert Baden-Powell funda a organização dos escoteiros, no acampamento juvenil da ilha de Brownsea, no condado de Dorset.

1836 - Inauguração do Arco do Triunfo de Paris



1960 - A Nasa divulga o programa espacial civil Apollo. O programa deveria abranger vôos tripulados à Lua e enviar sondas aos planetas de Marte e Vênus.


1962 - O presidente do Peru, Manuel Prado, após onze dias de confinamento na Ilha de San Lorenzo, parte para o exílio em Paris, por imposição da Junta Militar presidida pelo general Ricardo Pérez Godoy.


1968 - A Tchecoslováquia e a União Soviética se reúnem para acertar a paz durante a Primavera de Praga, tentativa de aproximação com o Ocidente.


1975 - A OEA revoga o bloqueio imposto a Cuba em 1964.


1979 - Morre Herbert Marcuse, filósofo alemão.


1981 - Casamento do Príncipe Charles da Inglaterra com Lady Diana Spencer.


1983 - O cineasta espanhol Luis Buñuel, diretor de O discreto charme da burguesia, morre aos 83 anos de cirrose hepática.


1984 - Seqüestro de um avião venezuelano, com 82 passageiros a bordo, por um comando que exige a entrega de 250 armas. A policia resgatou os reféns e matou os dois membros do comando, em Curacao.


1986 - Os presidentes da Argentina, Raúl Alfonsín, e do Brasil, José Sarney, firmam em Buenos Aires os acordos econômicos de integração mútua, base da futura criação de um Mercado Comum Latinoamericano.


1987 - Uma rebelião na Penitenciária do Carandiru, em São Paulo, deixa 30 mortos.


1994 - O comediante Mussum, que iniciou sua carreira no grupo Os Originais do Samba e consagrou-se nos Trapalhões, morre aos 53 anos.


1998 - O Governo Federal privatiza a Telebrás.


2000 - O presidente do Peru, Alberto Fujimori, tome posse, no seu terceiro mandato consecutivo, com protestos nas ruas por suposta fraude eleitoral. Seis pessoas morrem no incêndio provocado do edifício do Banco de la Nación.
2000 - Morre René Favaloro, cirurgião argentino, inventor do "by-pass" coronári
o em 1967.


Arco do Triunfo (Paris)


O Arco do Triunfo é um dos monumentos mais conhecidos do Ocidente. Construido por Napoleão Bonaparte, em 1806 e inaugurado em 1836, com 50m de altura e 45 de comprimento, teve seu projeto traçado pelo arquiteto Jean-Jacois Chalgrin e executado por Jean-Armand Raymaond. Chargrin expirou-se no antigo arco da Roma construído pelo imperador Constantino. Na obra monumental, tem gravado os nomes de 128 batalhas e 558 generais. Em sua base tem um Túmulo do Soldado Desconhecido (nome que recebem os monumentos erigidos pelas nações para honrar os soldados que morreram em tempo de guerra sem que os seus corpos tenham sido identificados) em 1920. O arco localiza-se na praça Charles de Gaulle, uma das duas extremidades da avenida Champs-Élysées

O Arco do Triunfo é um dos monumentos mais conhecidos do Ocidente. Construido por Napoleão Bonaparte, em 1806 e inaugurado em 1836, com 50m de altura e 45 de comprimento, teve seu projeto traçado pelo arquiteto Jean-Jacois Chalgrin e executado por Jean-Armand Raymaond. Chargrin expirou-se no antigo arco da Roma construído pelo imperador Constantino. Na obra monumental, tem gravado os nomes de 128 batalhas e 558 generais. Em sua base tem um Túmulo do Soldado Desconhecido (nome que recebem os monumentos erigidos pelas nações para honrar os soldados que morreram em tempo de guerra sem que os seus corpos tenham sido identificados) em 1920. O arco localiza-se na praça Charles de Gaulle, uma das duas extremidades da avenida Champs-Élysées.

A origem dos Arcos de Triunfo remonta a um costume romano de construir estes monumentos à passagem dos vitoriosos. Eles celebram as vitórias militares romanas, representadas nos baixos-relevos dos arcos, onde os artistas esculpiam as campanhas militares e os despojos dos vencidos.
Os atuais cinco Arcos de Triunfo existentes na cidade de Roma representam os triunfos de Druso, Tito, Sétimo Severo, Galliano e Constantino. Na província, também se construíam Arcos de Triunfo, para comemorar acontecimentos da vida municipal, contudo, esta designação não é muito apropriada, pois tem mais a ver com o tipo de arcos que exalta a glória dos vencedores romanos.
Os arcos mais conhecidos são os de Tito e de Constantino. No Arco de Tito, de 81 d. C., estão representadas cenas como a tomada de Jerusalém; numa das cenas entre os despojos da batalha figura um candelabro judaico de sete braços, o menorah, entre outros objetos sagrados. Neste monumento, comemorativo das vitórias de Tito, a ilusão do movimento é muito bem conseguida, nomeadamente no trabalho das figuras entre a multidão.
No Arco de Constantino, localizado junto do Coliseu de Roma, edificado entre 312 e 315, um dos maiores e melhores monumentos deste tipo, está condensada a missão deste imperador.
Também encontramos este tipo de construção em Ancona, em Benevento, na Itália; em Saint-Ren, perto de Arles, em Carpentras e em Orange, estes já na França.
Nos tempos modernos foram igualmente construídos arcos, para honrar as conquistas de chefes políticos. Em Napóles foi elevado um arco de Afonso de Aragão; em Paris foi edificado um monumento deste tipo para dignificar Luís XIV ao qual foram dados os nomes de Porte Saint-Denis e Porte Saint-Martin, respetivamente. Com Napoleão, foram construídos os arcos de Carrousel e de L'Etoile dedicados ao Grande Exército. A edificação do Arco de L'Etoile foi decretada depois da batalha de Austerlitz, a 12 de fevereiro de 1806, por Napoleão, e foi construído segundo um plano do arquiteto Chalgrin. Ficou célebre a imagem dos exércitos alemães marchando junto deste arco, durante a Segunda Guerra Mundial. Nele encontra-se, também, o túmulo do Soldado Desconhecido. O Arco de Carroussel, também erigido em 1806, seguiu os planos de Percier e Fontaine.
O Arco de Marselha, por sua vez, foi consagrado pela Monarquia de julho às glórias da República e do Império.